Atendimento de segunda a sexta, das 8h às 20h e sábado das 8h às 12h


  Contato : Telefone: (21) 3411-1001 | Whatsapp: (21) 98552-2020

Odontogeriatria: Entenda mais sobre!

Quantos anos você quer viver? Talvez você não tenha uma resposta exata para essa pergunta, mas provavelmente é algo na linha de “o máximo que puder”, não é mesmo? Todos queremos viver muito. Porém, para viver muito e bem, é preciso cuidar da saúde. E isso, claro, inclui cuidados com a saúde bucal também. Afinal, além de disposição física, os idosos também querem se sentir bonitos e ostentar um belo sorriso.

De fato, essa fase da vida requer cuidados muito especiais com a boca. A combinação de outras doenças comuns nessa idade e mais a insensibilidade gustativa, além da fraqueza muscular que vai crescendo com o tempo, complicam a rotina de higienização bucal dos mais velhos. Não é a toa que muitos deles acabam perdendo os dentes.

Por conta dessas particularidades, foi criada uma especialização específica para tratar da saúde bucal do idoso: a odontogeriatria. Confira mais sobre essa área da odontologia e entenda porque é tão importante.

O que é odontogeriatria?

É o ramo da odontologia tem como foco específico o cuidado bucal da população idosa, visando contribuir para o envelhecimento saudável, por meio de procedimentos preventivos, curativos e paliativos.

A ideia é fazer um acompanhamento da saúde do idoso e interromper complicações bucais logo no início. Afinal, já se sabe que diversos tipos de doenças possuem sua causa conectada à falta de saúde bucal, que pode abrir caminho, por exemplo, para doenças sistêmicas comuns em idosos, como osteoporose, artrite, artrose, diabetes, problemas cardiovasculares e endócrinos.

Assim, é importante não deixar que impasses de simples solução venham a trazer maiores problemas ao corpo.

Como começou no Brasil?

Originalmente, essa especialidade surgiu nos EUA na década de 60, mas só foi realmente reconhecida academicamente na década de 80.

Chegou ao Brasil no final do século XX, em função do aumento da quantidade de pessoas em envelhecimento na nossa população. Hoje, o país já soma mais de 15 milhões de idosos. E esse número deve continuar aumentando substancialmente nas próximas décadas, ou seja, é um segmento populacional que possui uma grande tendência de crescimento.

Esse aumento foi catalisado pelo crescimento econômico do país na época, que viabilizou o surgimento de condições que aumentaram a expectativa de vida para a terceira idade.

Apesar disso, só na última década a odontogeriatria foi reconhecida com especialidade no Brasil.

Nunca é tarde para ter o sorriso que sempre quis

Qual é a vantagem dessa especialidade?

Você pode estar se fazendo essa pergunta, pois nada impede que um idoso possa ser atendido por odontologista com outras especializações. Entretanto, a vantagem da odontogeriatrista é que ele é especializado nas características próprias desse segmento, com maior conhecimento para atender o idoso, especialmente quanto às principais doenças que costumam afligir os indivíduos nessa faixa etária.

Outro ponto interessante é que a odontogeriatria é também um campo de pesquisa acadêmica. Ou seja, se houver avanços quanto aos cuidados bucais para idosos, certamente os especialistas dessa área serão os primeiros a acessá-los.

Por que a odontogeriatria é tão importante?

Cuidar da saúde bucal, de uma maneira geral, não é uma condição de que se possa abrir mão, porque o corpo é um organismo e todos os seus elementos, pequenos ou grandes, estão interligados, de forma que a integridade de um interfere o do outro . Logo, se a saúde da boca não está bem, certamente isso afetará outras partes e áreas do corpo.

No caso dos idosos, isso é particularmente importante, pois o corpo sofre muitas mudanças cumuladas com o tempo (inclusive problemas não corrigidos nas fases anteriores de vida) e o sistema bucal é bastante afetado. Confira algumas das mudanças que o corpo sofre com a idade e de que forma elas influenciam a nossa qualidade de vida.

Perda de tonicidade na língua

Com o passar dos anos, a língua vai se tornando mais fraca e suas funcionalidades vão se deteriorando, o que dificulta as capacidades naturais de se alimentar e de falar, por exemplo. Na terceira idade, entretanto, esse sintoma é bem mais intenso.

Diminuição da sensibilidade gustativa

Comparados aos jovens, os idosos possuem uma menor sensibilidade gustativa. Assim, na tentativa de realçar o sabor dos alimentos que agora não é tão perceptível, os mais velhos acabam exagerando em temperos e condimentos em geral, como o sal e açúcar, .

O exagero destas substâncias podem causar no corpo uma série de distúrbios, inclusive no sistema bucal.

Decréscimo do fluxo salivar

A diminuição do fluxo salivar costuma ser uma constante em pessoas idosas, principalmente devido à ingestão de medicamentos. A falta de saliva em quantidade suficiente tem diversas consequências diretas. Uma delas é a halitose. Outra é a dificuldade no próprio ato de comer, já que a saliva tem uma importante função no preparo do bolo alimentar para ser recebido pelo estômago.

Perda de dentes

A perda de dentes na terceira idade é uma grande realidade para a população brasileira. Entretanto, não pense que isso acontece por fatores naturais. A relação de envelhecimento e a perda de dentes é indireta e vem como consequência de outras dificuldades que a idade traz.

A perda de sensibilidade gustativa (já citada anteriormente) e o consequente consumo exagerado de açúcares, por exemplo, proporciona um ambiente propício para o aumento de cárie nos dentes.

Outros fatores dificultadores são a fraqueza muscular e a falta de destreza manual que acometem os idosos, pois dificultam a higienização bucal transformando-a num exercício sacrificante e realizado sem muita precisão. Assim, a prática básica de escovação e passagem do fio dental acabam não acontecendo de maneira eficaz, o que compromete a saúde bucal dessas pessoas.

Como consequência disso, cáries e doenças periodontais acabam se desenvolvendo e acelerando a perda dos dentes.

Diminuição da produção de suco gástrico

A redução desse elemento no estômago dificulta ainda mais a vida do idoso, já que, sem saliva suficiente e também sem contar com todos os dentes, comer acaba se tornando cada vez mais difícil para ele

Como manter a saúde bucal na terceira idade?

Alguns hábitos e procedimentos podem prevenir e minimizar bastante os problemas bucais nessa fase. Confira a seguir.

Uso de escovas elétricas

Uma solução que tem auxiliado muitos idosos é a escova elétrica. Por sua praticidade e por demandar menos esforço, ela tem sido a escolha de muitos idosos que desejam manter uma saúde bucal.

Com ela é muito fácil realizar uma escovação eficiente com o mínimo investimento de energia física.

Visitas frequentes ao odontogeriatrista

Obviamente, é muito importante manter uma frequência de visitas ao dentista. Ele poderá fazer um acompanhamento de sua saúde bucal e dar as melhores soluções para quando houver algum problema. Fazer uma visita de 6 em 6 meses inicialmente é uma boa frequência, mas o intervalo entre uma ida e outra pode ser diminuído se houver necessidade.

Gostou de saber mais sobre essa especialidade tão importante no mundo da odontologia? Se você ou algum familiar/ amigo está precisando de um dentista com especialidade em odontogeriatria ou em qualquer outra, nós podemos te ajudar! Entre em contato conosco e descubra o que mais temos a oferecer.

Deixe uma resposta